blog4

O gênio é 99% transpiração

A frase indica que só com trabalho ou muito suor o homem se supera…

Revista Galileu / Fevereiro de 2002

Por Flávia Pegorin

Desde o início dos anos 90, resolver o problema da hiperidrose, a transpiração excessiva, ficou mais fácil. Essa disfunção, que atinge 1¢ da população mundial, não se caracteriza somente pela quantidade exagerada de suor nas axilas, pés e mãos. “muitas pessoas podem ficar com a pele rachada e desenvolver doenças como dermatite ou infecções por bactérias e fungos”, diz José Ribas Milanez de Campos, professor do departamento de Cirurgia Torácica da faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).
Recentemente, era comum o médico indicar o uso de talcos para casos leves, ministrar remédios para depressão ou ansiedade para os mais graves ou até indicar a aplicação da toxina Botox nas áreas afetadas, paralisando a ação das glândulas (a técnica é dolorosa e só dura cerca de seis meses). Mas a criação de uma cirurgia simples de nome complicado, a simpatectomia cérvico-torácica endoscópica, revolucionou o tratamento da hiperidrose nas palmas das mãos e nas axilas.
A cirurgia consiste no seguinte: com o paciente anestesiado, o médico faz duas incosões de 0,5 cm, uma no tórax, abaixo da mama, onde é introduzida outra na axila, onde entram instrumentos cirúrgico. Com a anestesia, os pulmões não inflam demais, o que facilita a visão do médico. Ao atingir a parte de trás das costelas, o cirurgião tem acesso à cadeia simpática, um conjunto de nervos que seguem a coluna vertebral e controlam o estímulo das glândulas sudoríparas. Dependendo da parte retirada, o paciente pára de transpirar excessivamente nas mãos, nas axilas ou onde existir o problema.
Essa “obra de engenharia”, na verdade, é um procedimento delicado mas simples: em 40 minutos a cirurgia está finalizada e o paciente pode ir para casa no dia seguinte. Segundo José Ribas Milanez de Campos, a eficiência do tratamento chega a 99%. “As pessoas costumam não dar importância ao problema. Mas quem sofre sabe como ele pode inibir e atrapalhar a vida normal”.